Guarda Municipal apura furtos de pirarucus na praça Batista Campos

Guarda Municipal apura furtos de pirarucus na praça Batista Campos

A primeira medida do novo inspetor geral da Guarda Municipal de Belém (GMB), Joel Ribeiro, logo após ser empossado no cargo pelo prefeito Edmilson Rodrigues neste sábado, 2 de janeiro, foi visitar a praça Batista Campos para conferir a denúncia de furto de 20 pirarucus dos lagos artificiais do logradouro.

A denúncia foi feita pela Associação de Amigos da Praça por meio da imprensa e incluiu ainda furtos de aparelhos televisores das barracas de vendedores de coco do local. Ele garantiu que a proteção dos logradouros será reforçada em toda Belém.

Na vistoria, o inspetor geral apontou a necessidade de realizar um diagnóstico preciso sobre os problemas enfrentados, mas já identificou um deles: a diminuição no número de guardas destinados a fazer monitoramento de segurança dos quase 3 mil metros quadrados do espaço.
Segundo ele, em um relatório que recebeu já havia a informação sobre apreensão de redes de pesca na praça. “O furto dos peixes pode ter acontecido porque o número de guardas no posto da praça é pequeno para o monitoramento de todo o local, ou a demanda de ordens de serviço pode ter aumentado e eles tiveram que ser remanejados, deixando a praça sem monitoramento”, explicou.

Ribeiro garantiu que haverá reforço de agentes no modelo de trabalho que será implantado nesta nova gestão. “Vamos reforçar a segurança dos logradouros públicos principais: praça Batista Campos, praça da República entre outros, e manter rondas com viaturas e motos. Vamos reforçar o efetivo para que os vendedores e os frequentadores desses espaços possam ter segurança”, afirmou.

Abandono – Um dos integrantes da Associação Amigos da Praça Batista Campos, Guilherme Minssen, lamenta que nos últimos dias do governo passado a praça tenha sido abandonada, o que permitiu o furto dos peixes. As espécies foram doadas para a associação em parceria com universidades e empresas e, em seguida, doadas para a praça Batista Campos. “O pior de tudo não é a questão do abandono, é tu veres tudo o que tu construíste, limpaste, pintaste ir por água abaixo quando o poder público falha”, desabafou.
TEXTO: Márcia Lima.

Texto:
Lilian Leitao